PUBLICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOPEDAGOGIA home | contato


Busca de Edições

Ano II - Nº 7

Edição Atual
julho/agosto 2006

Matérias da
Edição 7

.: Diálogo com a Presidente
.: Normas de publicação de artigos neste Informativo
.: ABPp Responde
.: ABPp Associe-se
.: Dislexia E Aprendizagem
.: Psicopedagogia e Educação Inclusiva: saberes e sentidos nas estratégias de formação.
.: Parceiros da ABPp


DIRETORIA Executiva ABPp 2008/2010

Presidente:
Quézia Bombonatto
Vice-presidente:
Sandra Lia Nisterhofen Santilli
Assessora de Divulgações Científicas
Maria Irene de Matos Maluf

Editorial:
Quézia Bombonatto (coordenadora), Edimara de Lima, Neusa Torres Cunha, Patrícia Vieira, Rebeca L. Oliveira, Sandra Lia N. Santilli, Silvia Amaral M. Pinto, Yara Prates.

O informativo Diálogo solicita colaborações, mas reserva-se o direito de publicar ou não as matérias enviadas. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não expressando necessariamente o pensamento de seu corpo editorial. Os exemplares deste Informativo são destinados aos associados e interessados na psicopedagogia. O informativo Diálogo Psicopedagógico é uma publicação bimestral da Associação Brasileira de Psicopedagogia.

Correspondências, dúvidas, idéias ou reclamações devem ser enviadas para:
ABPp – Comissão Editorial do Diálogo Psicopedagógico Rua Teodoro Sampaio, 417 cj. 11 - CEP 05405-000 - São Paulo/SP Tel: 11 3085-2716 ou pelo
E-mail: quezia@abpp.com.br Produção Gráfica Sollo Comunicação e Design Fone: (11) 5051-7154 – 5052-3298 E-mail: sollo@sollocom.com.br Fotolitos Filme Fácil Impressão Novagráfica & Editora Tiragem 15.000 exemplares Distribuição Gratuita.


Psicopedagogia e Educação Inclusiva: saberes e sentidos nas estratégias de formação.
Prof. João Beauclair
Arte-educador, Psicopedagogo, Mestre em Educação.
www.profjoaobeauclair.net

Historicamente, o percurso da Psicopedagogia brasileira mostra que desde os seus primórdios, sua maior preocupação esteve voltada à inclusão. Esta afirmativa é possível pelo fato de percebermos que, ao eleger cuidar de crianças, adolescentes, jovens e adultos com dificuldades de aprendizagem, nossa Psicopedagogia atuou e ainda atua com enfoque inclusivo.

Enfoque inclusivo pelo fato de que, ao buscarmos referenciais à prática psicopedagógica, nunca se perdeu de vista a construção de processos de análise das dinâmicas familiares, escolares e institucionais e suas respectivas importâncias na formação do sujeito aprendente.

É possível citar, por exemplo, o fato de que com o passar do tempo, novas perspectivas foram geradas pelo próprio movimento de revisão pelo qual acredito que a Psicopedagogia Brasileira está passando, no que concerne ao surgimento de novos pesquisadores e autores em seu campo e, também, no que diz respeito às próprias dinâmicas da profissionalidade psicopedagógica, sempre em permanente movimento.

Sabemos que a Psicopedagogia atua com as questões da aprendizagem, e por si só este é um fato importante para a interlocução aqui proposta. A cada novo dia, as mudanças de nosso tempo repercutem e alteram nosso cotidiano, pois os avanços que se apresentam nas Ciências, nas Tecnologias e nas Comunicações nos fazem perceber que precisamos, sempre, estar em processo de mudança, de revisão de conceitos e paradigmas que possuímos, enfim, de novas aprendizagens.

Neste sentido, no campo da Psicopedagogia e da Educação Inclusiva, novas demandas surgem, pois se torna essencial pensar, refletir, aprender e desaprender sobre o próprio conceito de mudança. Temas como formação humanística, identidade, alteridade e diversidade devem estar presentes nas formações de profissionais tanto do campo educacional inclusivo como no campo psicopedagógico.

Tais temas, acredito, podem favorecer a constituição de novos modos de perceber as próprias funções da aprendizagem na vida humana e sua importância na compreensão da diferença. Para se colocar diante dos preconceitos, visando superá-los e para a construção de uma efetiva Educação Inclusiva, necessária à configuração de uma sociedade também inclusiva, é preciso interlocução, intervenção e diálogo.

Com esta perspectiva, tecer possibilidades e oportunidades de reflexão, através da MOP Metodologia de Oficinas psicopedagógicas, é uma aposta/proposta que faço, enquanto formador, no intuito de vivenciar estratégias formativas em Educação Inclusiva, partindo das contribuições da Psicopedagogia, pelo fato de acreditar firmemente que será tão somente com formação permanente, supervisão e incessante busca por novas metodologias e técnicas de atuar em educação, que será possível contribuir para a interlocução, a intervenção e o diálogo.

Organizar conjuntos de idéias visando uma integração conceitual e prática fomentadora das discussões em torno do tema em tela é pensar nas possíveis contribuições da Psicopedagogia à necessária revisão de paradigmas, que se configura como apreensões a partir das experiências vivenciadas por todos que buscam seguir adiante em suas formações acadêmicas e pessoais.

As estratégias formativas em Educação Inclusiva se presentificam como resultado dessas experiências e com a busca de aprofundamentos em estudos independentes: só é possível criar visões e possibilitar revisões no ato de incluir ampliando idéias e objetivando a promoção de saberes e práticas na/da diferença.
É necessário vivenciar a inclusão no cotidiano das instituições, pensando em novas premissas, em novas potencialidades e buscando modos novos de pensar e agir, onde seja possível sonhar, desejar, criar e realizar, efetivamente, uma prática psicopedagógica e inclusiva, colocando, assim, em movimento, os tantos e excelentes referenciais que temos, à nossa disposição, nas legislações e propostas vigentes de Educação e Inclusão.

Para saber mais:

AMARO, D G e MACEDO, L. Observação do aluno no cotidiano escolar: uma necessidade para a prática inclusiva. In: AMARAL, S e outros:

Psicopedagogia: contribuições para a educação pós-moderna. Ed Vozes, Petrópolis, 2004. BEAUCLAIR, J. Incluir, um verbo ação necessário à inclusão: pressupostos psicopedagógicos. Pulso Editorial, São José dos Campos, 2007. BEAUCLAIR, J. Para Entender Psicopedagogia: perspectivas atuais, desafios futuros. Ed WAK, Rio de Janeiro, 2006. BEAUCLAIR, J. Oficinas psicopedagógicas como estratégias de formação: a arte da aprendizagem ou aprendizagem em arte, 2004. Conferir no site www.profjoaobeauclair.net

BEAUCLAIR, J. Olhar, ver, tecer: a busca permanente da teoria no campo psicopedagógico In.: AMARAL, S e outros Psicopedagogia: contribuições para a educação pós-moderna. Ed Vozes, Petrópolis, 2004. GUIMARÃES, T (org.). Educação Inclusiva: construindo significados novos para a diversidade.

Belo Horizonte: SEE/MG, v.22, Lições de Minas, 2002. MANTOAN, M T E. Caminhos pedagógicos da inclusão. Ed Memnon, São Paulo, 2001 ROSA, D. E. G (Org.). Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Ed DP&A, Rio de Janeiro, 2002.

SCOZ, B. Por que a alteridade é uma questão central para a psicopedagogia? In: AMARAL,S e outros. Psicopedagogia: portal para a inserção social. Ed Vozes, Petrópolis, 2003.


diálogo online © todos os direitos reservados